A Ciência da Criação Deliberada, um desejo totalmente meu, sem eu desejar por omissão

20 de agosto de 2010 por
Publicidade

Como posso realizar deliberadamente as coisas que o meu próprio ambiente me inspira a desejar, pois quero vivenciar muito essa alegria, o prazer de ter todas essas coisas, de estar consciente em criar a minha própria realidade. Eu sei que eu realmente crio a minha própria realidade. Ninguém mais pode fazer isso. E eu a crio mesmo que eu não entenda como faço isso. Por essa razão, eu constantemente venho criando tudo por padrões. Quando estou consciente e atento aos meus próprios pensamentos eu deliberadamente os emito, então eu sou o criador deliberado de minha própria realidade e foi isso que eu pretendi fazer desde que eu nasci.

Meus desejos e as minhas crenças são apenas pensamentos. Nada mais do que isso.

Eu posso através da minha atenção, através do meu querer, através do meu desejo, e esse é o pedir (quer eu deseje que aconteça ou quer eu deseje que não aconteça, eu estou sempre pedindo…). Eu não tenho e nem mesmo preciso usar gestos ou palavras. Eu tenho apenas que sentir em meu ser que eu desejo isso. Que eu adoro isso. Que eu aprecio isso e assim por diante. Esse desejo é o começo de toda a minha criação e atração.

Eu não posso me deixar ficar cansado com a minha expansão ou com as minhas criações, pois não há fim para as minhas novas idéias e desejos que fluem a cada contraste que eu encontro pela vida. Com cada idéia nova de algo que eu gostaria de experimentar, sejam objetos, conhecimentos ou relacionamentos todos virão a realização ou a sua manifestação, e com essa poderosa manifestação virão também novas perspectivas, que a partir das quais emitirei sempre um novo desejo.

Os contrastes da vida, seja em volume ou em variedades, nunca cessam. Sendo assim, novos desejos nunca terminam e como os meus pedidos e respostas nunca cessam de fluir. Então, eu sempre terei novas perspectivas e a eternidade disso sempre à minha frente.

Uma vez que eu relaxe na idéia de que um novo desejo nunca deixará de existir na minha vida, um novo desejo irá constantemente nascer em mim, e a fonte nunca deixará de responder aos meus desejos e, consequentemente, a minha expansão está garantida e será eterna; e eu poderei começar a relaxar, e se mesmo nesse atual momento, não houver nada que eu realmente deseje, pois eu ainda não encontrei um contraste. Eu só preciso me tornar alguém feliz com o que eu já tenho, com o que eu já realizei, apreciando tudo, e ao mesmo tempo me pondo numa feliz ansiedade por mais. E essa é toda a vantagem da criação deliberada, é estar feliz na eminência do que está para acontecer, sentir-me totalmente entusiasmado, em excitada antecipação, mas, sem impaciência, sem duvidar, sem achar que não mereço, porque se eu deixar que isso aconteça, estarei criando resistência em mim mesmo ao estado de permissão, e isso já não é mais a Ciência da Criação Deliberada.