Posts com a Tag ‘os três patetas’

POR QUE TUDO É SEMPRE IGUAL?

- domingo, 26 de agosto de 2018

OS TRÊS PATETAS As pessoas não tomam decisões, elas não dão suas intenções sobre o que elas realmente querem da vida no seu dia a dia, elas nem escolhem mais o que querem; pensar, falar e fazer, num mundo repleto de contrastes bifurcados. A maioria ainda é um observador reagente. Muito fáceis de serem manobrados à revelia. E sempre existem os mais espertos, que os levam onde eles querem. E assim, um bando de foras da lei, que se dizem em nome de milhões de miseráveis, seguem presos desesperadamente um outro grande mentiroso, literalmente preso. Outro grande bando seguem um militar político, que nunca fez nada de importante em toda a sua vida pública, a não ser brigar com todo mundo. E ainda tem outros que seguem uma líder evangélica que até pouco tempo seguia as cegas, o cara preso que ainda lidera essa corrida de loucos…

E assim a vida segue repetindo sempre as mesmas histórias, para a grande maioria, só mudando os personagens que sempre agem seguindo os interesses dos poucos que os compra com seus dinheiros escondidos. E isso provoca sempre uma grande confusão, essas pessoas se metem sempre em grandes encrencas, porque ao abdicarem de suas escolhas conscientes e deliberadas, elas deixam de chamar a energia que dá a vida, e assim vemos uma sociedade literalmente doente, onde farmácias e mais farmácias, se proliferam em cada esquina de um mesmo quarteirão, o povo pedindo mais e mais hospitais que não param de ficar abarrotados de doentes mentais, os quais provocam suas próprias doenças físicas…

Eu tive a quem usar como exemplo. Meu avô Marino, ele seguia apenas a sua própria felicidade, nessas épocas turbulentas que se repetem, ele sempre tomava uma decisão, seguir a sua própria felicidade. Então, um dia lá estava ele se preparando para ir para a roça, tomar banhos de rio com seu cachorro e seu filho mais novo e mais o neto que quisesse ir junto. Outro dia cuidando dos seus cactos, ou jogando Bocha com amigos. Ele não estava aí para ninguém, nem mulher, nem filhos ou amigos. Ele decidia que ia ser feliz sozinho, do jeito dele, e não seguia ninguém, nem falava em política, e nunca viveu mal, sua vida sempre foi farta, prospera e abundante em tudo. Viveu muito bem, sempre no meio de muitos contrastes bifurcados e todas essas suas presepadas que eles fazem pela vida, por apenas ainda não fazerem mais as suas livres escolhas deliberadas…