Posts com a Tag ‘Lucy’

ABRAHAM ESTÁ SEMPRE ME RESPONDENDO…

- terça-feira, 16 de outubro de 2018

ESTHER O meu acesso Abraham não é sobre me guiar em direção ou para longe de qualquer coisa. Eles querem que eu tome todas as minhas próprias decisões sobre o meu desejo. O único desejo dos Abraham é, que eu descubra o caminho de menor resistência para alcançar meus desejos de: Ser, Ter e Fazer, tudo o que eu realmente quiser agora. E a Esther Hicks, encontrou através da meditação, foram nove meses junto com Jerry. Osho também meditava muito. Bashar já foi através de contatos com extraterrestres, o Gerald Di Pego pensou que poderia ser através da Luz, ou uma certa forma de contato com alienígenas, quando escreveu o filme “Fenômeno”. Já o Alan Glynn, com seu filme “Sem Limites” e Luc Besson com o “Lucy”. São muitas perspectivas para se chegar ao que se quer. E com toda a certeza, existem infinitas possibilidades, eu só tenho que encontrar a minha, aqui e agora…

JAMAIS HÁ UMA RESPOSTA, SEM TER TIDO PRIMEIRO UMA PERGUNTA…

- terça-feira, 16 de junho de 2015

transcencence Um amigo recentemente me perguntou. Porque eu só vejo filmes como; Jumper, Lucy, Sem Limites, Oblivion, Sense 8 e Transcendence, a revolução? E o porque de eu sempre dizer para as pessoas não confiarem em ninguém, nem mesmo no que elas mesmas pensam, só confiarem na sua felicidade? Respondendo a primeira pergunta eu quase que respondo a segunda. As pessoas sempre tem respostas as suas próprias perguntas, essas perguntas assim como os desejos são sempre vibracionais, você pode até verbaliza-las, mais elas são sempre primeiramente vibracionais. As respostas sempre vem de alguma forma ou maneira, mas elas só são aceitas até onde as suas próprias crenças já os permitem ir agora.

Então, mesmo esses filmes que nós fazem pensar mais longe, enxergar infinitas possibilidades, eles são limitados ao que a maioria acredita, para servir de resposta ao que a massa está perguntando vibrando. Veja que em todos esses filmes tem alguém que usa as drogas ou a tecnologia para se chegar lá, nunca é o seu natural Bem Estar, e sempre tem também outras pessoas que não aceitam o novo, as infinitas possibilidades e assim partem para a violência, para tentar destruir o que lhes incomodam, apenas pelo seu medo infundado, o de não saber até onde isso as levará. São sempre respostas que podem ser aceitas com essas crenças de conspirações que as pessoas já tem em suas mentes e ativadas.

Então, a razão é sempre baseada naquilo que o EGO tem acumulado criando ou realimentando crenças limitantes, a maioria resistentes ao fluxo de Bem Estar, então meus pensamentos são sempre limitados a aquilo que as minhas crenças que eu aceitei, repetindo e me sentindo bem ou me sentindo mal, me permitem ir. Já a minha alegria, a minha felicidade ou apreciação, sempre é um sinal de que eu estou totalmente livre e seguindo o fluxo de energia e informação de Bem Estar que é o TUDO o que É. Que é realmente o que cria tudo.

Você sabe o que é vivenciar?

- segunda-feira, 27 de outubro de 2014

cerdadinho Muita gente não sabe o que é vivenciar, ela mesma ainda acredita que precisa passar por todos aqueles acontecimentos, para poderem assim absorver um pouco mais de conhecimento daquilo focado. E todos nós podemos sim, sentir tudo aquilo sem precisar jamais passar por todo aquele aparato, e que muitas das vezes tem alguns aspectos indesejados juntos, porque isso se trata de desejos realizados de outras pessoas, mas que são importantes para a expansão de tudo, e é por isso que eu não preciso fazer de tudo para poder sentir tudo. Afinal é para isso que existem infinitas individualizações na linha de ponta do pensamento…

Essa semana eu assisti algumas vezes o filme “Sem Limites”. A maioria dos filmes que mostram toda essa expansão da consciência, mesmo o mais recente “Lucy”, ainda usam o reforço da sincronicidade negativa, eles tem de justificar essa expansão, eles tem de dar uma recompensa ou fazer algo para que o personagem principal possa merecer toda essa expansão, que é mais que normal é eterna em todo o Universo. Até mesmo esse filme que não me canso de assistir, “Jumper”. Todos tem que responder aos muitos desejos das outras individualizações ainda ligadas nas suas velhas crenças resistentes ao fluxo de energia e informação de puro Bem Estar. Então, a violência, o medo e a morte nesse mundo físico, é um dos requisitos básicos para o enredo dessas tramas. Eu até fiquei muito feliz em ser atendido no filme “Sem Limites”. Afinal o personagem consegue administrar essa expansão sem precisar voltar a resistir ao Bem Estar e continuar nessa experiência física, aqui e agora.

Lucy 2O que eu quero afirmar para mim mesmo nesse meu relato é que, eu posso vivenciar tudo o que eu mais gostei de cada um desses filmes e reescrever uma historia só minha, com tudo o que mais me agrada. Do Jumper, eu posso vivenciar viagens fantásticas com meus filhos, meus netos e meus amigos por todo esse mundão, tudo num piscar de olhos. Que é o que eu já fazia quando a minha mãe me colocava num cercadinho de madeira e me deixava só. Eu viajava por infinitas realidades ali mesmo, só depois que fui crescendo que foram me podando aos poucos, esse meu poder maravilhoso de viajar na imaginação expandindo consciências e infinitas realidades paralelas.

Já o filme “Lucy”, eu como já sei que os átomos dão formas a tudo o que eu mais quero, ao que eu mesmo mais desejo, eu não preciso das drogas para sentir a expansão, nem preciso largar esse mundo físico, só porque eu mesmo acessei agora, infinitas informações livres no Vácuo Quântico. Eu posso usar isso tudo para realizar todos os meus desejos, sem precisar jamais voltar a usar a sincronicidade negativa como reforço das minhas velhas crenças. Eu poderei ser o homem que eu quiser ser, sabendo como tudo funciona a meu prazer, controlando tudo para que seja do jeito que eu quero ainda nessa forma física, apenas porque eu quero.

Sem limites Já o filme “Sem Limites”, me mostra em imagens o que eu já acessei de informação com os Abraham e Bashar, comprovando mais uma vez que eu posso; ser, ter e fazer tudo o que quero, aqui mesmo e agora. Jamais é preciso esperar uma evolução, ou tomar qualquer tipo de droga. Veja bem que, com todo o conhecimento que já temos hoje com a física Quântica, e até de como é formada as nossas crenças, de como as transformamos em crenças dominantes e como elas ditam e recriam a nossa realidade, podemos sim, realizar grandes historias melhoradas de nossas vidas e viver uma vida plena de muito Bem Estar, aqui e agora…

Adoro visitar realidades paralelas…

- domingo, 26 de outubro de 2014

Filmes ADORO FILMES QUE ME FAZEM EXPANDIR A MINHA IMAGINAÇÃO EXPONENCIALMENTE… Mas, o mais importante de tudo, em poder vivenciar todas essas realidades paralelas tão distantes como essas que nos são apresentadas nos filmes atuais, é saber focar e dar atenção no que é mais importante, naquilo que mais me trás prazer, mais felicidade naquele momento. Eu adoro filmes que provocam a minha imaginação como: Jumper, Lucy e Sem Limites. Esse ultimo é o que mais se parece com o que eu mais gosto de viver. Tanto Jumper quanto Lucy respondem muito mais aos desejos das pessoas que ainda são focadas no medo e assim realimentam mais suas crenças resistentes ao fluxo de Bem Estar.

As pessoas por motivos de suas crenças, que ainda acreditam que tem que viver no mundo do medo para poder expandir suas consciências, tentando mudar as coisas, tentado consertar as coisas e até excluir tudo aquilo que não quer, então elas são muito mais focadas na violência que elas mesmas pedem nesses filmes. Afinal, tudo que se tem é em respostas aos nossos pedidos. Já o filme Sem Limites, o artista principal, ele só apela para a violência quando ele está ainda no domínio do medo, sem acesso a todo o conhecimento do Universo, que é quando ele mata os três que foram mata-lo e lhe tomar a droga. No final do filme vem a mensagem que mais conta para mim. Quando De Niro tenta fazê-lo voltar ao mundo do medo, e ele descarta. O seu conhecimento e poder, já não tem mais nada a ver com a violência e o medo que sentia antes… Agora sim, ele era o criador de sua própria realidade…

Porque contar as minhas próprias historias que eu quero viver?

- domingo, 19 de outubro de 2014

Lucy Primeiro que isso é o que é, usar a Lei da Criação Deliberada a seu favor, afinal todos que conseguiram o que queriam da vida, contavam suas próprias historias de alguma maneira. E além disso, até mesmo as historias que existem hoje, que nós fazem ir além, o mais longe de tudo isso que já é, sempre estão muito ligadas as mais velhas crenças de quem as conta. Então, se você assiste um seriado como “Star Gates” ou até mesmo o filme “Lucy”, vai perceber que todo o enredo está ainda muito ligado a velha física Newtoniana de que tudo é matéria, de que tem que pagar um preço pelo bem, que é preciso se fazer algo para justificar a sua própria existência.

Eu quando vejo coisas como as idéias do reator de plasma Keshe, ou do filme Jumper e Lucy, eu mesmo viajo nas minhas próprias idéias, sempre o mais livre que eu puder dessas velhas crenças limitadas ao mundo do medo e da matéria. Eu me vejo pegando meus netos num carro Keshe, lá no Rio de Janeiro e em três minutos depois estar num igarapé em Manaus com minha sobrinha Gabi, curtindo os botos cor de rosa, e depois indo curtir uma bela peixada na hora do almoço, lá na praia de Calhetas em Pernambuco no bar do Arthur. Eu me vejo pensando em estar no Japão e como no filme Jumper, estar lá agora só em pensar, penso em estar na Amazônia apanhando alguns diamantes e tendo o dinheiro que eu quiser para curtir tudo o que eu vier a desejar. Me vejo como a Lucy, falando todos os idiomas, interagindo com tudo que é energia nesse planeta, fazendo a energia se tornar qualquer coisa que eu queira bem mais rápido que todas essas antigas crenças me permite ser agora…