Posts com a Tag ‘cena’

O TEATRO DE UM SER VIBRACIONAL…

- quinta-feira, 14 de novembro de 2019

teatroo Sou consciente de quem eu sou, um interprete vibracional em um mundo repleto de contrastes bifurcados. Adoro e aprecio muito ter todo esse conhecimento que tenho hoje e toda essa clareza fantástica para aplica-lo. Eu acordo todos os dias, ou melhor, todas as vezes que eu durmo até mesmo durante o dia, no meu vórtice criativo e, é maravilhoso já sair escolhendo mais o que eu quero experimentar. Tudo o que eu penso e sinto de verdade, pelos meus cinco sentidos, vem para mim, tanto o que quero quanto o que não quero…

É maravilhoso sair ou me liberar desse padrão do que é, que vem sendo reforçado pelos outros contrastes bifurcados, eles nem percebem que estão na sincronicidade do padrão do que é, e assim, a vida deles só é mais do que é. Então, ao acordar, eu faço uma espécie de laboratório mental, como se faz em uma peça teatral, afinal o teatro nasceu com esse único objetivo, espalhar uma crença, e ainda é usado para isso até hoje, é claro que ninguém quer a maioria saiba disso…

Eu nem me levanto da cama e já delibero o que eu mais quero pensar e sentir, e já saio escolhendo algumas coisas que eu quero sentir a esperança alegre e divertida, disso que escolhi, vindo para a minha realidade agora. Eu me divirto muito com isso, interpretando vibracionalmente e já sentindo, aquilo que eu quero sentir ao realizar isso que escolhi pensar mais. Observando, focando, deixando a energia fluir, e dedicando mais momentos de atenção, para que a Lei da Atração, tome as rédeas da situação e reorganize todos os cooperativados para a realização do meu desejo agora…

SÓ SE PODE INCLUIR MAIS…

- sexta-feira, 7 de setembro de 2018

nayana-e-nara Adoro fazer minhas muitas e infinitas escolhas. Eu aprecio mesmo, cada escolha que faço agora. A gente geralmente tem uma ou outra crença em relação a nós mesmos, sobre aquela situação ou aquele sentimento ruim, por conta de alguma coisa que já vivemos no passado. Pois é. Eu já volto lá naquela cena ou naquele momento e escolho reviver mais, como eu gostaria que tivesse realmente acontecido. Vou dar alguns exemplos para ficar bem mais fácil conceber. Eu sempre fui um homem de muitas ideias, e por certo já tive ideias de alguns negócios que não deram certo. Aí veio aquele sentimento de. “Eu talvez não seja bom o suficiente”. Eu volto lá naquela cena e revivo aquele momento como se eu tivesse conseguido realizar mais esse grande e maravilhoso negócio às mil maravilhas. Isso é uma forma de eu fazer as minhas muitas escolhas, que na verdade é eu estar fazendo literalmente uma nova escolha. Escolhendo colocar algo de novo no lugar. E isso é maravilhosamente escandaloso de bom…

Outro exemplo claro que eu posso usar e o de um relacionamento: Uma de minhas filhas por um momento na vida, deixou de falar comigo por algum motivo bobo, e eu cabei ficando com aquele sentimento idiota de que: Eu não sou mais bem aceito, ela não me ama mais incondicionalmente. Sou realmente inadequado como ela disse no Whastsapp, não mereço ser amado por ela. Eu volto lá e ouço ou leio ela me dizendo, pai você é maravilhoso, eu te adoro. Essa nova escolha pode e deve ser usada para mudar tudo o que ainda me faz mal, que ainda poderia me atrapalhar se eu continuasse a realimentar isso. As vezes nós vivemos experiências que geram esse tipo de crenças na gente, e nem sempre essas crenças são boas ou reais. E agora quando penso nessas crenças que, ainda estão me atrapalhando e volto lá naquela cena que causou essa crença resistente, eu revivo a cena. Só de reviver eu já estou mudando o meu pensamento em relação aquilo. E o melhor é que essa arte fazer as minhas muitas e infinitas novas escolhas, pode sempre ser feita em todo e a qualquer que seja o momento, em qualquer lugar e sobre qualquer assunto. Eu não preciso esperar chegar nem na hora de dormir para fazer essa nova escolha. Posso fazer agora mesmo…

Fecho os olhos e revivo o momento. Estou escolhendo trocar um sentimento por outro, uma crença por outra completamente diferente. E isso é simples e altamente eficaz. É importante que eu entenda que não tem como eu excluir permanentemente uma coisa porque ela continuará existindo. Eu posso “escolher” mudar o meu foco da pobreza para a riqueza, e mudar a minha consciência de escassez para abundância, mas aquele estado de pobreza continuará existindo e a qualquer momento eu poderei voltar nele novamente, desde que eu volte e substitua a ideia de abundância, de volta pela de pobreza. Ou seja, não se exclui nada, apenas se substitui, se escolhe um novo estado de consciência, uma nova crença, uma ideia por outra. Mas elas continuarão existindo. Qualquer pessoa precisa escolher; mais, mais e mais, para sempre, todos os dias em todos os seus momentos. As memorias estão sempre sendo reencenadas. O que se quer dizer que, quando eu faço uma nova escolha, diferente, eu tiro o foco daquilo que eu estava resistindo ou ativando, e ainda “dedicando minha atenção”, mas aquilo continua existindo e é por isso que é necessário, eu estar sempre escolhendo e me sentindo ainda melhor. E é escolher mais, sempre o que já me faz sentir bem. Não importa como e nem o que vou fazer, eu apenas faço o que escolhi fazer agora, já me sentindo bem…
.

O MEU PAPEL QUE EU QUERO É, UMA PESSOA MUITO FELIZ…

- sábado, 16 de abril de 2016

escandalosamente feliz Essa semana eu escrevi que a vida é um grande teatro, onde cada pessoa escolhe os papeis da peça que ela mesma escolheu que vai representar, a cada dia, a cada momento. E como eu mesmo coloquei essa sincronicidade em andamento, os Abraham me enviaram mais essa citação onde diz para mim que… Às vezes eu mesmo fabrico alguns cenários e os coloco em meu próprio caminho, apenas para provar que o meu ponto de vista está correto. É como se eu preferisse estar mais certo do que realmente estar muito mais feliz.

E isso acontece mesmo, as vezes eu pego o meu notebook para escrever, e publicar no meu blog mais alguma coisa ou até mesmo nas redes sociais, e logo depois me pego lá, e lá estou eu observando essas criações indesejadas das outras pessoas, e gente querendo provar que ela está certa querendo tirar alguém do poder, outros defendendo, outros dizendo que agora tem o seu bandido predileto, e eu mesmo acabo criando cenas em minha própria cabeça para provar que eu estou certo, também sobre isso.

E a Esther Hicks escreveu essa resposta exatamente para mim que, quando eu me pegar fazendo isso, essa coisa de entrar numa peça em cartaz que eu não gostaria de ver e nem representar um pequeno papel que seja, mas que está todo mundo vendo e comentando, eu devo parar com isso imediatamente e dizer para mim mesmo: “Estes pensamentos desagradáveis são totalmente desnecessários”. Em seguida, eu apenas escolho um novo pensamento, com um novo tema, uma nova historia, com um novo cenário mais alegre, que já me faça sentir melhor. E assim, a minha vida só fica cada vez melhor e melhor ela fica.