Posts com a Tag ‘bilhões de dólares’

ABUN DA MOLLY…

- segunda-feira, 11 de fevereiro de 2019

como Este final de semana eu revi duas histórias fantásticas, uma eu criei em 2015 que foi a história de ABUN, que fala sobre as crenças de ABUN, que pode ser você, e a outra eu revi pela Netflix, “Como não esquecer essa garota”. Que é uma história do cara que não quer esquecer a Molly, sua namorada, mas ele tem a perda das memorias novas, todos os dias, dia a dia. E o mais incrível é que cada vez que eu vejo, eu tenho uma nova percepção de cada uma dessas histórias. A de ABUN, eu escrevi, primeiro com o intuito de mostrar como as pessoas ainda estão amarradas em suas velhas crenças resistentes, e ao rever eu percebi que eu posso me divertir ainda mais, colaborando com milhões de pessoas, porque não com bilhões delas, a todos criarem suas novas crenças, afinal crenças são só pensamentos semelhantes pensados, muitas e muitas vezes, e pensamentos viram coisas… E eu adoro me divertir ganhando muito dinheiro…

Já o filme do cara que perde as memórias, não só quem escreveu, mas quase todos que veem o filme, pensam que a trama principal é ele o Gus, e nunca a Molly, eu também tive essa percepção na primeira vez. Mas, agora eu quero explorar a minha nova paixão pela Molly, ela sim é a peça mais importante, porque ela me mostrou o que é mais importante e que eu não via. Nós, pessoas normais, esquecemos de ser novos todos os dias, a grande maioria só é mais do que é, por justamente ficar preso nas memorias dos dias passados, que quase sempre se repetem, mudam os personagens, a locação, mas as histórias são as mesmas. A maioria não perde a memória, porque ainda repete quase sempre os mesmos pensamentos. E a Molly, me mostrou que eu posso acordar todos os dias, já construindo novas crenças, e que isso pode ser maravilhoso para todas as pessoas, escandalosamente divertido, fácil e ainda pode ser uma ideia de alguns bilhões de dólares. E é isso que eu vou fazer, transformar pensamentos em coisas, e eu adoro me divertir sempre ganhando muito dinheiro…

O NASCIMENTO DE UM DESEJO…

- terça-feira, 19 de julho de 2016

caça ao tesouro VAMOS A CAÇA AOS TESOUROS? Geralmente um desejo nasce de um encontro com o lado da falta, de todo e qualquer contraste bifurcado. Desejei! Agora é o momento certo de eu apenas relaxar mais, meditar mais que é simplesmente limpar a minha mente de todos os pensamentos do ego, eu posso fazer isso apenas focando mais as ondas do mar. Isso é acreditar que esse desejo já é meu, é eu ter fé de que isso já é um negócio fechado. Já não é mais a minha tarefa meter o bedelho de novo nisso. Eu só preciso focar no que já está dando certo em minha vida, em minha volta ou até pela Internet. Porra! para que se tem esses smartphones?

Eu só tenho que me distrair mais, me divertir mais com isso tudo que já está dando certo. Como os apps que já valem bilhões de dólares, como o WhatsApp. Só isso já cessa toda a minha resistência que eu mesmo já tinha, ao lançar esse desejo, ainda sentindo não tê-lo em minha vida, mas, que eu ainda desejo. Só agora, sentindo a sensação do sucesso eu sou um correspondente cooperativo vibracional com o meu desejo, e assim, eu passo a ter inspirações, novas ideias, na verdade eu só estou traduzindo a vibração de Bem Estar que tem todas as informações que eu mais preciso, que chega a mim, agora. E é só nesse momento que eu tenho a maior clareza, de que já não há mais resistência alguma em mim. E só agora, nesse momento sem resistência alguma eu devo; imaginar mais, visualizar mais e escrever mais sobre, como eu quero isso me fazendo escandalosamente mais feliz na minha vida. Esse é o melhor de todos os momentos.

Você recusaria 3 bilhões de dólares? Diz, e ai meu!

- quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

Evan Spiegel CEO da Snaochat Adoro pessoas que pensam assim como eu penso, tem muita gente que me chama de maluco, doido varrido e outros adjetivos, tudo por eu ainda não ter vendido a rede social Vibreleve.com por alguns milhões de dólares, agora imaginem alguém que recusa 3 bilhões de dólares

Evan Spiegel, um dos fundadores e CEO diretor executivo do Snapchat explicou porque recusou oferta de US$ 3 bi do Facebook. Há menos de dois meses atrás, Evan Spiegel e Bobby Murphy deixaram o mundo dos negócios da nova tecnologia de boca aberta, babando de verdade ao rejeitarem uma oferta de 3 bilhões de dólares por parte de ninguém menos que o dono do Facebook. Ele disse, “poucas pessoas no mundo têm a chance de construir um negócio como este. Trocar isso por algum ganho de curto prazo não é muito interessante”.

O tamanho deste ganho que ele fala, foi avaliado recentemente por 2 bilhões de dólares, 1 bilhão a menos que o oferecido. E olha que eles dois só são donos de cerca de 25% das ações da empresa cada um, o que faz com que a venda rendesse a cada um deles 750 milhões de dólares. Mas, eles querem e podem bagunçar a hierarquia das redes sociais e, quem sabe, até ultrapassar o Facebook. A média dos usuários do Snapchat tem 18 anos, o Facebook é de 40.

O Snapchat é um serviço de envio de fotos, com um diferencial: as fotos desaparecem depois de um tempo pré-determinado por quem a mandou. Assim, a preocupação de que pais, familiares ou futuros empregadores vejam suas postagens desaparece. E, por buscar amigos apenas entre os contatos de smartphones, só se troca fotos com pessoas com quem realmente se fala.