Arquivo do autor:

Desejo dar Adeus a Qualquer Sentimento de Vulnerabilidade

- domingo, 19 de setembro de 2010

Passado, presente e futuro são elementos existenciais do agora, porém atrelar-se emocionalmente ao passado, principalmente quando experiências não foram positivas é estupidez.

Sempre que surge um desejo e esse desejo provoca em você uma emoção, 99,9999999…% do “trabalho” está pronto (Abraham). Aquilo já é seu! Está pronto para que tome posse e aproveite da forma como bem entender. E tal processo independe de qualquer fator externo ou de qualquer ação que você ache que deva tomar para sua manifestação.

É você quem escolhe sempre!

 Você escolhe como quer que sua vida seja e o faz a partir de seu ponto máximo de poder que é agora. O que já aconteceu em sua vida não deve servir de fator impeditivo para sua expansão como criador.

Devemos fazer com que tudo exerça apenas uma função: a de ALAVANCAS!

Se existiu algo de positivo em determinada experiência pretérita, ótimo! Se nenhuma vibração positiva lhe é trazida quando lembra daquilo, simplesmente delete! Esqueça! Apague aquilo de sua existência!

Mas espere um momento! Como é possível transformar algo negativo que nos ocorreu anteriormente em uma alavanca?

Exatamente provando a nós mesmo que temos a capacidade de apagar aquilo do nosso campo de vibrações. Mostrando a nós que somos hábeis em reduzir entulhos a pó quando assim desejamos.

Nenhum apelo é mais estupendo do que aquele que você faz a si mesmo quando “filtra” suas emoções e decide provocar uma mudança em seu interior. Optar por dar nossa atenção emocionada àquilo que nos faz bem é absolutamente revolucionário em qualquer aspecto que se possa analisar. Conseguimos criar, expandir, evoluir e transformar.

E podemos faze-lo tranqüilamente sem freios, sem arreios, sem trelas, sem coleiras e sem aquelas viseiras que colocam na cara dos cavalos para que olhem apenas numa direção.

Não somos “cavalos domados” para que nos comportemos de acordo com a vontade alheia, e muito menos influenciados por sentimentos de vulnerabilidade provocados por imagens externas a nós, ou por fatos já ocorridos e encerrados.

Entramos num processo interminável de evocar mudanças. Conseguimos entender que não somos vítimas de pessoas ou situações, mas que estamos no comando absoluto de tudo.

Tornamo-nos íntimos de nós mesmos (quantas e quantas pessoas passam a vida inteira como estranhas a si próprias!) e vemos que nossa verdade é tudo o que interessa, pois é ela que nos coloca como que escultores da realidade que nos interessa.

Este é o verdadeiro poder de criar! O sentimento se ser inteiro e completo aqui e agora.

Encare o Universo como uma montanha estupenda de argila, e suas emoções como enormes e habilidosas mãos de um escultor. Quanto mais atento ao que sente, maiores e mais hábeis se tornam suas mãos. Sua imaginação tem sempre enorme poder, pois conjugada às suas emoções servirá de molde para a energia que tornará qualquer coisa possível.

Desejo Agora!

- quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Para que possamos explorar novas possibilidades, ver desejos realizados sem tempo de espera é que preciso que nos convençamos de que nossos desejos são reais, pois mais estapafúrdios, impossíveis e mirabolantes que nossa mente, que nosso lado racional possa julgar.

Nossa face racional é extremamente perigosa e castradora. É preciso saber lidar cuidadosamente com ela.

Um criador intencional faz com que seu desejo aconteça aqui e agora. E começa fazendo isso em seu íntimo.

Um criador intencional NÃO assume posturas tais como:

“-O que eu tanto desejo está a caminho.” (a caminho de que??? Da onde???)

“-Puxa! Seria maravilhoso seu eu pudesse…..!” (se eu pudesse??? Então não vai poder jamais!)

“-Se eu meditar muito, visualizar  bastante e rezar outro tanto, um dia chego lá!” (medite e visualize no alto do Tibet se quiser… não chegará lá jamais)

Um criador intencional  consegue sentir agora com tal intensidade aquilo que deseja que perde até mesmo noção de passado, presente e futuro. O desejo é sentido realizado como presença real, mesmo que ainda não manifestado fisicamente. A manifestação física não é condição para que eu me sinta bem JÁ.

Se eu não conseguir sentir meu desejo realizado dentro de mim JÁ, nada feito!

Aliás, um criador deliberado nem sequer  nota que ainda não rolou a manifestação. Por este motivo é que quando a manifestação ocorre, sua reação não é de espanto, não é de surpresa… Sua reação é do tipo: “Ah…ta aí…eu já sabia…. sinto muito, mas você não é mais novidade pra mim. Já desfruto de você dentro de mim a tanto tempo, que já não é mais novidade.”

Estar PLENO DE SI no ato da criação significa tudo! É ter a capacidade de dar gargalhadas de euforia ou de derramar lágrimas de alegria em ATITUDE DE TOTAL AGRADECIMENTO PELA CHEGADA DE ALGO QUE FISICAMENTE AINDA NÃO SURGIU NA MINHA FRENTE.

Temos a capacidade de ser PLENOS EM NÓS MESMOS. Temos a capacidade de ser INTEIROS EM NÓS MESMOS. A manifestação é mero detalhe.

Sabemos que a relação de intimidade com nosso Ser Interior, com nossa Fonte, com nosso Deus é fundamental. A verdadeira religião está gravada em nosso íntimo, e qualquer sentimento de alegria ou felicidade que possamos ter apenas imita a postura de Deus. Sabemos que onde estiver nossa Alma, pro lado que estiverem focados nossos sentimentos, exatamente pra lá estará correndo nosso processo de criação.

Isso a que chamam de Deus não está aí para atender a pedidos nossos… se pensavam assim, esqueçam! Essa força estupenda vai muito além e faz muito melhor do que ouvir pedidos e atende-los: compartilha plenamente conosco cada realização, cada manifestação.

A forma como encaramos a vida, o jeito com que vamos sentindo e nos emocionando diante dos contrastes, determinará em cada mínimo detalhe a forma como a vida e o mundo se apresentará diante de nós.

Sabendo que a força para criar está dentro de nós, reconhecemos que nada do lado de fora de nós pode ser gerado ou criado sem que tenhamos sido os propulsores de todas as realidades.

O Desejo Criar Qualquer Coisa…Livre de Amarras de Quaquer Espécie

- sexta-feira, 10 de setembro de 2010

 

Batendo alguns papos com pessoas que sabem nada ou muito pouco sobre Lei da Atração, ao perguntarem do que se trata e nos ouvirem falar sobre o assunto por pouco minutos, alguns demonstram a maior incredulidade possível. Já ouvi algo assim: (achando a maior graça do mundo!!!) “não há como provar nada disso cientificamente, não acredito.”

Quando precisamos provar algo cientificamente para depois acreditar, infelizmente trancamo-nos dentro de um quarto pequeno e escuro no que diz respeito às infinitas possibilidades que são colocadas em nossas mãos para ter, ser ou fazer qualquer coisa que possamos desejar.

Quando as pessoas pedem explicações mil e comprovações matemáticas, lembro sempre de um fato bastante conhecido ocorrido no famoso Triângulo das Bermudas.

Em 4 de dezembro de 1970, Bruce Gernon e seu pai decolaram  a bordo de um monomotor Bonanza A36 do aeroporto da cidade de Andros, Bahamas e voavam para Bimini, um ilha das Bermudas, mais próxima do continente. O céu estava claro quando viram uma nuvem estranha com extremidades quase que perfeitamente arredondadas pairando sobre o mar. E conforme voavam em direção a ela, a nuvem começou a se espalhar. A 3.505 metros de altura, notou que ela havia formado um túnel, e a única possibilidade de fuga parecia ser passar por esse túnel. E quando estavam lá dentro, viram linhas nas paredes que giravam no sentido anti-horário, os instrumentos de navegação ficaram descontrolados e a bússola também passou a girar no sentido anti-horário. Gernon disse que havia “percebido a ocorrência de algo muito estranho. Em vez do céu azul e limpo que esperávamos no final do túnel, tudo parecia branco-acinzentado. Além disso, a visibilidade parecia ser de 3 quilômetros, mas não havia absolutamente nada para ver. Não havia oceano, horizonte ou mesmo céu, somente um nevoeiro cinza”, disse ele.

 

Quando Gernon entrou em contato com o controle de tráfego aéreo de Miami para obter uma identificação de radar e saber sua posição, o controlador disse não haver aviões aparecendo no radar entre as regiões de Miami, Bimini e Andros. Após mais alguns instantes, Gernon ouviu o controlador dizer que um avião havia acabado de aparecer diretamente sobre Miami. Gernon não achou que poderia estar sobre Miami Beach, já que o tempo normal de viagem é de 75 minutos usando velocidade máxima de seu avião, 300km/h, para chegar até lá e só tinham passado uns poucos minutos desde o início do incidente. nesse mesmo momento, a névoa cinza começou a se desfazer, os instrumentos começaram a operar normalmente e viram Miami Beach logo abaixo deles. E foi essa passagem de tempo confirmada por seus relógios e pelos instrumentos do avião.

Depois de pousarem em Palm Beach, Gernon conferiu novamente seus instrumentos e constatou que havia gasto menos de 45 minutos numa viagem que levaria quase uma hora e meia e que havia consumido 12 galões a menos de combustível do que seriam necessários para aquele trajeto.

Detalhe interessante é que o pequeno monomotor de Gernon não tinha potência de motor nem resistência estrutural para se deslocar a uma velocidade de mais de 3000km/h (quase 3 vezes a velocidade do som e mais rápido que a velocidade de cruzeiro de um Concorde).

Explicações científicas para tal fato??? Mais de 30 anos depois do fato, continuamos sem elas. O que há são especulações das mais variadas.

O fato aconteceu? Sim…os registros do momento da decolagem de Gernon feitos pelo aeroporto de Andros, até o momento em que surgiu nos céus de Miami comprovam o impossível.

Estamos cercados de fatos que não podem ser explicados cientificamente…que não podem ser medidos através de instrumentos, réguas ou tabelas matemáticas.

E o que dizer então do poder que reside em nosso interior, na Alma humana? O que dizer dos milagres e de curas inexplicáveis! Realmente precisamos de explicações mensuráveis através dos medíocres e “coitadíssimos” conhecimentos humanos para acreditar?

Eu, pelo menos, não preciso. Sei que a minha realidade se constrói através da matéria prima que são minhas vibrações.. Tenho plena ciência que a Lei da Atração responde à tudo que vibra através do meu mundo interior. Quanto mais atenção eu dedicar a um pensamento emocionado, mais dominante será o sinal vibrátil emitido, e minha experiência de vida corresponderá exatamente aos meus sentimentos.

Aquilo em que eu acredito, é lei diante do Universo.

Este meu conhecimento seria baseado na ciência? Não….a coitada da ciência ainda não descobriu métodos para medir meu poder de criar. Desloca-se ela sofrivelmente sobre uma carreta de rodas quadradas puxada por dois bois velhos e cansados.

Meu conhecimento a respeito da LDA é empírico; é aquele que desenvolvi através da sua utilização e comprovação em minha vida, dia a dia, e nada, nada nesse mundo é mais valioso do que isso.

Desejo Aprender a Apreciar para só Depois Conseguir Criar

- segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Esta é a flor Papagaio (Parrot flower), descoberta em 1899, espécie bastante rara da Impatiens Psittassina que existe exclusivamente em locais bem específicos em Burma e também no norte da Tailândia. Dizem que o governo tailandês, ciente de sua raridade e com o intuito de protege-la, proíbe sua exportação, seja por sementes ou mudas.

Cultivá-la fora de seu ambiente natural é praticamente impossível. Ela requer um polinizador natural que só existe naquela região para produzir sementes, e também exige um solo com pH extremamente específico para se desenvolver e florescer.

Novamente temos a natureza nos dando lições… ela o faz o tempo todo, reparamos nisso, ou já perdemos a capacidade de fazê-lo?

 

Há pessoas que olham e conseguem captar as mensagens que são transmitidas. Outras, por sua vez, tornaram-se totalmente “cegas”…sua insensibilidade chega a chocar… podem estar diante da imagem mais bela, mais rara…não sentem absolutamente nada…ou se sentem alguma coisa, logo dizem: “que troço estranho!” e a seguir voltam-se pra sua clausura de sentimentos.

Desgraça das desgraças a tal clausura dos sentimentos… jogamos no lixo nossa capacidade de apreciar.

A flor em questão nos transmite uma bela mensagem. Nos diz que existem forças atuando ao nosso redor, agindo de modo lindo e absolutamente perfeito. Forças que não somos capazes de compreender, mas que estão ao alcance perfeito de nossos sentimentos.

Talvez seja por esse motivo que eu adore estar em contato com a natureza. Amo praticar atividades como o trekking. Cada trilha, cada praia deserta, cada cascata, árvore e arbusto do percurso, cada pequeno animal, nem que seja uma minúscula aranha em sua teia, nos transmite uma vibração de harmonia e de paz.

É preciso abrir o coração e colocar a Alma em estado de profunda apreciação. É nesse estado que atingimos o ponto magnífico de sensibilidade necessário para criar; Tal ponto não envolve não apenas uma flor asiática rara, mas  cada detalhe incrível e único que forma nosso dia a dia. Nosso dia é repleto de lindas raridades…cada um de nossos dias é único e exclusivo. Não devemos encarar o dia de hoje como mais um numa sucessão interminável de rotinas. Se o fizermos, teremos nos transformado em robôs, em máquinas com funções pré-programadas e executadoras sempre das mesmas rotinas.

Não consigo ver um robô desejando e criando. Robôs não criam, apenas executam tarefas.

Robôs até podem ser programados para emitir sons…imaginem um robô “falando” através de seu sistema de auto-falantes: “Eu desejo viajar! Beep!, Eu desejo um novo carro! Beep!, Eu desejo uma casa nova! Beep!, Eu desejo roupas novas! Beep!….”

Desejos estão sendo emitidos repetidamente, mas estamos diante de uma máquina sem sentimentos e, portanto, absolutamente incapaz de criar.

 

Sem sentimentos direcionados ao prazer, ao bem-estar, à beleza da vida e do mundo ninguém cria! Pode passar a vida inteira repetindo “papagaísticamente” aquilo que deseja, mas não criará intencionalmente nem mesmo um penico de plástico pra pôr junto da cama à noite.

Olhar para os nossos sentimentos e procurar focá-los exclusivamente naquilo que nos traz prazer, nos coloca na posição ideal de desejadores capazes de efetivamente criar. Ou seja, nos coloca uma patamar acima do apenas desejar. Atentar para nossas emoções, faz com que tomemos conhecimento que a realidade que desejamos usufruir está existindo, pulsando agora mesmo dentro de nós. Trazê-la para fora, isto é, manifesta-la, é mero detalhe que não me diz respeito. Acontece por si só.

Desejo que os Motivos Sejam Parceria, Amizade e Amor… Jamais Necessidade

- quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Ouvi, por acaso, duas mulheres conversando em um local público.

 Queixavam-se da dificuldade que é hoje em dia para conseguir manter um relacionamento amoroso sério com alguém.

Uma delas disse: “Já não tenho mais esperança de encontrar alguém que me complete. Quando minha relação com Fulano chegou ao fim, meu mundo desabou. Demorei muito a me recuperar.”

Um simples bate-papo entre duas pessoas na rua demonstra de forma clara por que os relacionamentos são cada vez mais complicados de começar…e quando começam, transcorrem aos tropeções… e quando terminam, é de forma traumática.

Pra início de papo, sai-se procurando alguém “pra nos completar”…

Completar?????  Buscamos alguém que nos complete???? Que tolice é essa????

Se somos emocionalmente incompletos, já estamos procurando alguém por motivos tortos.

Ninguém que se aproxime de mim, vai faze-lo pra suprir minhas lacunas. Não vou encontrar no outro o que falta em mim, e não é função do outro colocar em ordem minhas disfunções emocionais… ele ou ela não irá faze-lo…

Ninguém completa quem quer que seja. Ou somos completos em nós mesmos, ou não vamos encontrar aquilo que nos falta no outro.

Jamais supriremos uma lacuna em nossos sentimentos na outra pessoa. Não é pra isso que ele ou ela serve. Não será a função deles, ao se aproximarem de nós, virarem muleta, bengala ou cadeira de rodas. Talvez esse seja um dos maiores erros de quem busca um relacionamento….e não dá certo…parte pra outro….e não dá certo outra vez… vai pra outro….e acaba em porcaria de novo…..

Vou atrás do outro pra que faça companhia a mim… a quem nem eu mesmo suporto!

O requisito fundamental para quem deseja manter uma relação bacana com alguém é estar bem consigo. Busco e alcanço a plenitude de alegria e satisfação estando em primeiríssimo lugar em minha agradabilíssima companhia…então, não vou precisar sair em busca de alguém.

 Esse alguém é que virá ao meu encontro.

O outro não estará comigo para me suprir em nada…. eu me basto.

O outro não estará comigo para me completar em nada… sou completo.

O outro estará ao meu lado por um único motivo: compartilhar comigo alegrias e dentro desse clima criar e expandir….nada a mais do que isso.

Estaremos juntos para dividir nossa plenitude, nossa alegria, nossa parceria, nossa amizade, nosso tesão e nosso amor.

Mas cuidado!!!!

Compartilhar com o outro alegrias não significa que dependo dele ou dela pra ser feliz ou alegre. Compartilhar com o outro alegrias significa que nosso manancial individual desse sentimento já é perfeito e completo. Estamos juntos apenas para desfruta-lo juntos…e só isso, mais nada….

Jamais encontraremos no nosso companheiro, ou companheira aquilo que nos falta.

Ninguém é “cara metade” de ninguém… se o for, o será por pouco tempo… não há “saco” que resista a uma relação baseada no princípio de que um é ponto de apoio do outro. Isso é sinônimo de saturação e “pentelhação” na certa.

Se assim acontecer, até dá pra enganar a torcida por algum tempo, mas não pra sempre.
São relacionamentozinhos patológicos empurrados com a barriga dia após dia pra inglês ver. Um dos pólos da relação estará ali de corpo presente (mas não de alma) e de saco bem cheio daquilo tudo.

Nunca alcançaremos no outro aquilo que não existe já pronto em nós.
O básico, o fundamental e o que faz valer a pena e dar certo, é sabermos que só encontraremos no nosso companheiro ou companheira, aquilo que já existe de perfeito e em abundância em nós mesmos.

Mais nada.

A Fonte dos Desejos

- quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Mendoza é a capital da Província argentina que recebe o mesmo nome. A cidade localiza-se no oeste do país em uma região bastante árida e aos pés da Cordilheira dos Andes. Fundada em 1561, a cidade possui cerca de 115 mil habitantes e é importante pólo produtor de vinhos e azeites e de refinamento de petróleo. Trata-se da quarta maior cidade do país se considerarmos a população em toda região metropolitana.

Mas, embora possa parecer a princípio, esta não se trata de uma publicação de turismo.

Quem conhece Mendoza, aprende uma lição enorme no que se relaciona à Lei da Criação Intencional.

Posso perfeitamente relacionar uma cidade no interior da Argentina à realização de todos nossos desejos.

Atentem para os seguintes detalhes…

Mendoza situa-se em uma região bastante seca. A paisagem ao redor, embora muito linda,  lembra um deserto com vegetação rasteira. Como a cidade situa-se grudada no paredão dos Andes, com altitude que ultrapassa os 6000m, a umidade e as chuvas vindas do Pacífico não chegam até ali com facilidade. As chuvas no município não ultrapassam, em média, os 200 mm anuais.

Aí você entra na cidade…

E dá de cara com um oásis! Praças floridas, alamedas verdejantes, jardins e mais jardins que formam espetáculos multicoloridos. Chafarizes e fontes jorrando água pra todo canto que se olha!

Aí você pensa na hora: “Como isso é possível? Estamos praticamente em meio a um deserto?”

 

Bom…você nota a presença de centenas de canais de água irrigando a cidade de ponta a ponta.

Foi planejada e construída uma extensa rede de canais e canaletas que transportam a água que desce da cordilheira em forma de rios turbulentos diretamente pra dentro da cidade. Drenos se encarregam de transportar a água desses canais principais que se estendem ao longo das ruas e avenidas para cada árvore, jardim ou praça da cidade.

Trocando em miúdos, Mendoza não tá nem aí se

A cidade tem ciência de que existe uma fonte inesgotável que a abastece… e ciente disso, floresce com total esplendor.

Mendoza nos serve de modelo e inspiração.

É possível “verdejar e florescer” em meio a qualquer ambiente, por mais árido e sem vida que possa parecer.

Para isso, basta ter ciência de que o melhor em nós, nossa Fonte, nossa Alma jamais deixa de nos suprir com mais do que o suficiente para que criemos qualquer coisa que possamos desejar.

Os “desertos” existem para aqueles que acreditam neles…

Os “desertos” existem para aqueles que olham ao redor, vêem tudo “seco” e sem vida, e optam por transportar tal aridez pra dentro de si.

Sim…optam… pois a aridez de recursos em nossas vidas é sempre uma opção nossa, jamais uma imposição externa forçada por situações ou pessoas.

A Fonte está e estará sempre ali a nossa inteira disposição. Fazer uso ou não dos recursos que Ela nos oferece cabe a nós.

a chuva não cai, ou se ao seu redor há um deserto árido.

O Desejo de Embarcar na “Canoa” que Quisermos

- segunda-feira, 30 de agosto de 2010

 

Sempre que olhamos em direção a nós mesmos, encontramos facilmente a solução para qualquer coisa.

O problema todo está quando nos voltamos para aquilo que os outros pensam ou escrevem a respeito de nossas crenças.

Colocamo-nos em segundo ou terceiro plano. Abafamos nossas convicções porque A, B ou C não concordam com elas. Abrimos mão do que nos faz bem, porque gente problemática e mal resolvida não aceita que estejamos bem, ou mais…que sejamos felizes do jeito que somos.

Nosso processo de desejo e criação nos serve? Geramos a realidade que queremos a partir daquilo que pensamos ser o correto? Então que se dane a opinião alheia!

Ninguém pode ou deve estabelecer aquilo que nos serve. Nossa forma de pensar foge do padrão da maioria? Pois isso é problema deles, não nosso.

O que serve pra mim é exclusividade minha…é meu tesouro maior e disso não abro mão. Se algo me faz bem e me traz felicidade, ninguém deve opinar…não permitirei de forma alguma que o façam. Qualquer forma de interferência será danosa.

Nossas coordenadas internas irão, passo a passo, identificando, restaurando, alimentando e delineando os detalhes da nossa nova realidade da exata maneira que desejamos que ela seja e tudo à nossa volta vai captando cada sinal emitido por nossas escolhas. De repente, é como se o universo inteiro conspirasse a nosso favor. Nossas escolhas são nossas escolhas e de ninguém mais.

Quer você perceba isso ou não, quer aceitemos ou não, a nossa energia pessoal está ressoando ininterruptamente. Se desejamos mudar a realidade atual da nossa vida, temos que administrar os sinais que estamos fabricando em nosso mundo interior. Estes sinais devem combinar com a nova realidade desejada.

Tudo parte de dentro.

Ninguém na face da terra tem o poder de nos negar ou privar de coisa alguma. Apenas nós mesmos temos esse poder indo contra àquilo que desejamos. Absolutamente nenhuma condição externa a nós pode nos mantém afastados daquilo que desejamos…apenas nós podemos faze-lo através de vibrações contraditórias.

O problema todo reside em nos mantermos a maior parte do tempo focados naquilo que não desejamos, ao invés de nos focarmos no que queremos. Em seguida temos a manifestação do indesejado e passamos a reclamar…Perguntamos o porquê daquilo…

O porquê é simples… vemos a esmagadora maioria das pessoas fazendo isso. Nos dizem: “Olhe seus problemas! Fique atento a eles! Debata-se para resolvê-los! Preocupe-se! Todos que têm bom senso se preocupam…faça isso também!” Nos falam o tempo todo para fazer isso…entramos nesse barco…embarcamos na velha canoa furada de fazer o que os outros fazem em vez de seguir nossa intuição.

Nossa intuição é intocável. Nossa intenção é exclusividade nossa. Nosso único trabalho é nos manter focados nessa intenção que faz parte de nosso ser, assim elevaremos nossa vibração e estaremos atraindo pra nós aquilo que nos satisfaz…. a nós, não os outros.

Desejo que Também é de nós, Homens: Excelentes Perfumes!

- quinta-feira, 26 de agosto de 2010

 

Foi-se a época em que o cheiro de perfume que exalava de um homem era o do desodorante que tinha posto nas axilas. Ou então o daquela água de cheiro ordinária que foi dada de presente por uma tia velha e sovina, num kit acompanhado também de um sabonete e de um desodorante…tudo devidamente comprado numa farmácia de subúrbio qualquer e com aroma exatamente disto:  subúrbio…

Nas últimas décadas os homens deram um verdadeiro “salto quântico” no que diz respeito a cuidar de sua aparência, não só nos detalhes das roupas que veste, mas também no que diz respeito à estética em geral, o que inclui o campo da perfumaria. Não temos qualquer dúvida de que um perfume é componente importante capaz de revelar traços da personalidade de também nós homens.

E os principais fabricantes do mundo ficaram bastante atentos a essa mudança no nosso comportamento. Hugo Boss, Prada, Dolce Gabbana, Pacco Rabane, Christian Dior, Carolina Herrera, Armani, Azzaro, Ralph Laurent apresentam dentro de suas criações linhas fantásticas totalmente dedicadas ao público masculino.

E caso alguém ainda não saiba, os homens ultrapassaram a fase de “feder” a Pinho Sol ou a limão colhido nos fundos do quintal de casa.

Hoje o perfil de um homem pode ser identificado pela família aromática da essência que está usando. São aromas que podem ser classificados basicamente em orientais, amadeirados, fougères, florais, cítricos e chipre.

Como você se vê, amigão??? Clássico? Esportivo? Aventureiro? Elegante? Sensual?

Pois saiba que existe uma fragrância que combina exatamente com sua personalidade. Diria até que são mais do que simples fragrâncias…são na verdade coquetéis embriagadores de personalidade, elegância, autenticidade e modernidade.

Faça a escolha certa e saiba que seu perfume “vibrará” com você!

Embora perfumes sejam algo extremamente pessoal, vou sugerir aqui quatro que considero obras de arte em matéria de sensualidade. Já são clássicos, bastante conhecidos e não tem qualquer erro. Seu uso é “gol” na certa:

 

Fahrenheit – Christian Dior (França): Família Olfativa: Amadeirado, Floral Balsâmico.
Aroma: Quente – distinto – sutil – contemporâneo
Componentes:
Espinho Branco: Arbusto com flores brancas e rosadas.
Nota floral, seca e masculina.
Madeira de Sândalo: É uma madeira exótica com notas preciosas e delicadas, de grande prestígio na perfumaria.

Essência ao mesmo tempo elegante e arrojada. Amadeirado com toques de styrax, lavanda e sândalo. É de deixar qualquer uma louca de saudades de você mesmo que tenha estado com ela uma única vez e apenas por alguns minutos. Se ficou com ela mais do que alguns minutos, a sensação que fica é a de quero mais.

 

212 Men – Carolina Herrera (EUA): amadeirado, refrescante, apresenta notas de gengibre, sândalo, mandarim e folhas verdes. Distinto, inovador, elegante e sutil, essa fragrância quente oferece uma sensação duradoura de sensualidade. Foi inspirado na energia e sensualidade de Nova Iorque. Para o homem sexy, sofisticado, sutil e espontâneo. Feito para quem quer uma “isca irresistível”, digo, uma fragrância para todas as horas. Com as mais belas essências, sua fragrância provoca sedução por onde passa. Urbano, moderno e dinâmico. Combina com o homem  misterioso, elegante e sobretudo um sedutor nato, o homem ideal para a mulher dinâmica, feminina, sensual e sedutora.

Night Flight – Joop (EUA): classificado como fragrância fougère fresco com notas que lembram o couro, abacaxi,  bergamota, lírio do vale, sândalo e âmbar. É recomendado para o uso casual. Para o homem exótico e sensual, que “mergulha” no mais profundo de sua alma! Extremamente marcante, pode-se dizer sem erro que seu aroma é totalmente inconfundível. Assim como se torna inconfundível que o usa.

Acqua de Gio - Armani (Italia): possui uma composição refrescante e amadeirada com notas marinhas, de jasmim e de caqui. Pureza, vitalidade, refrescância: um frasco de formas sóbrias, dando uma impressão de força e elegância. A mesma impressão é transmitida pelo aroma. Se você está procurando uma colônia que não é muito intensa, então esta é uma ótima opção para você. Saiba que você pode usar esta colônia praticamente em qualquer lugar que você vá. É uma opção adequada tanto para o verão quanto para inverno, bem como em todas as estações do ano entre os dois.

São apenas sugestões, amigos. Existem centenas de outros à disposição. Porém na hora de escolher um, é bom lembrar que o olfato está ligado ao sistema límbico do cérebro, que regula as emoções, a sexualidade, o medo e o conforto. Se nossas boas vibrações, por si só,  já são capazes de fazer milagres em matéria de comunicação, imaginem do que são capazes boas vibrações acompanhadas do aroma certo! Ninguém resistirá a nós, estejam certos disso… e elas também não vão conseguir resistir.

O Desejo de Olhar na Direção Certa

- segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Medusa é um personagem da Mitologia Grega. Trata-se de um monstro ctônico (vivia entre os humanos) em forma de mulher, uma das três górgonas. Qualquer um que olhasse pra ela, era transformado na hora em pedra.

Surgem em nosso caminho, algumas vezes, aquelas situações que denominamos de problemas. Infelizmente não nos damos conta de que nada, absolutamente nada vem até nós sem que tenha havido nosso prévio convite. É duro reconhecer isso? Pois nosso comportamento esperto, sensato quando tais manifestações indesejáveis – porém devidamente convidadas – surgem em nossa realidade seria perguntar: “O que em minhas vibrações fez com que tal coisa acontece?”

Porém, muitas vezes, não é o que fazemos…

Olhamos diretamente nos “olhos de Medusa” e viramos “pedra”…

Tudo aquilo que recebe nossa atenção emocionada tende a permanecer. E mais…nossa vibração devidamente ajustada na freqüência de um determinado problema fará com que surjam mais e mais motivos para que nos sintamos mais e mais desconfortáveis e infelizes.

Tudo o que recebe nossa atenção, permanece!

Cada um de nossos pensamentos emocionados, cada um deles serve de combustível que movimenta e dá origem à materialidade dos acontecimentos… isso daí que chamamos de manifestações. Somos perfeitos, somos completos, somos conquistadores, fabricantes de realidades por excelência. Qual é o problema em aceitar isso? Deixaríamos de ter motivos para queixas, queixas e mais queixas?

O grande negócio é termos controle sobre nossa capacidade criativa, fazermos uso dela simplesmente prestando a atenção na forma como nos sentimos agora.

Geramos através de um lixo de padrões de pensamentos uma realidade porca? Então que tenhamos a mesma capacidade de olhar na direção oposta, na direção de onde está a paz, a tranqüilidade, a saúde perfeita, a beleza e o bem estar. Encarar o monstro petrificante não vai gerar outro efeito senão a paralisia e a estagnação. Virar “pedra” jamais é bom ou agradável.

Buscar fora de nós a solução ou a transformação é algo cansativo…desgastante e, não raro, os resultados ficam aquém do desejado. E todo o desgaste e cansaço sentido significam exatamente que escolhemos o caminho errado. Não é o natural do nosso ser. Vai contra nossa natureza. Daí o desgaste e o cansaço…

E por favor! Não venham aqui com aquele papo de que as coisas que são conseguidas através do sacrifício teriam mais valor. (quem terá inventado isso?) Papo pra boi dormir! Ou melhor…papo de gente que não sabe o poder que tem e que se vê obrigada ao esfolamento em vida pra pôr a mão em qualquer pacote com quatro rolos de papel higiênico.

Algumas vezes a ignorância, incapacidade e impotência recebem uma demão de tinta pra ficar com cara de virtude.

Quem vibra na freqüência de problemas, geras problemas;

Quem vibra na freqüência da mediocridade, torna-se medíocre;

Falamos aqui seguido que criamos qualquer realidade desejada quando vivemos antecipadamente como se lá já estivéssemos.  A realidade em que estamos inseridos agora não interessa. O que conta é a direção onde sua atenção está agora, onde seu coração e sua alma estão focados.

O que neste exato momento está recebendo sua atenção? Pois é exatamente naquela direção que todo seu ser está indo.

Um Desejo que Vale Milhões: Amigos Verdadeiros

- quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Podemos enumerar aqui milhões de desejos… e também desejos que valem milhões.

Contudo, em que patamar posicionamos este bem tão precioso: a amizade?

Porém peço cautela aqui….não me refiro a conhecidos….esses nós certamente temos às pencas.

Falo de amigos verdadeiros… destas criaturas que provavelmente não saíram de dentro da mesma barriga da qual nós saímos, mas que poderiam ser chamados de irmãos. Nossos irmãos de sangue poderiam ser esses amigos? Lógico que sim…eu próprio tenho a dádiva de ter como irmã a criatura mais doce, meiga, cheia de virtudes e amiga que poderia existir. O simples fato de te-la presente em minha vida já me torna um ser abençoado e comprova com a maior riqueza de detalhes imaginável a grandiosidade e a generosidade dessa Força Suprema que chamam de Deus.

Mas isso que denominam de amigos, ultrapassa corriqueiramente os laços de sangue. Trata-se de alguém que vibra no amor na nossa exata freqüência. É alguém que não nos causa qualquer constrangimento caso permaneça ao nosso lado no mais absoluto silêncio. Vibrações parelhas não necessitam de palavras para se fazerem sentir. Basta saber, conhecer e simplesmente amar e tudo se torna compreendido. Para que palavras se o outro é uma perfeita extensão de mim mesmo?

Quanto maior o número de palavras necessárias para nos fazermos entender por alguém, menor o grau de ligação, de união com aquela pessoa, tenham a mais absoluta certeza disso.

Amizade real também nos oferece a mais absoluta dispensabilidade de analistas, psicólogos e psiquiatras.

Temos todos esses profissionais reunidos em alguém que nos conhece e, além disso, nos ama. Basta um chamado, ou bem provavelmente nem mesmo isso será necessário, e essa pessoa estará ali em posição de auxílio, de esclarecimento, de elevação, de superação.

Amizade verdadeira nada exige em troca. Pelo simples fato de existir simetria e identidade de sentimentos, a expansão de um será inevitavelmente a expansão do outro. Não há trocas, há conjugação, há comunhão.

Quanto a desejar, quero incluir aqui o de que todos possam ter ao alcance da mão e do coração alguém para chamar de Amigo. Saibam que ser proprietários de fortunas, iates, mansões e frota de carros de luxo cairá no silêncio e no vazio caso nossa Alma não tenha o toque e o calor de outra Alma. Serìamos exatamente como um sino sem badalo.

Termino este texto, fazendo minhas as palavras de John Donne, Poeta Inglês:

“Nenhum homem é uma ilha, sozinho em si mesmo;

cada homem é parte do continente, parte do todo;

se um seixo for levado pelo mar, a Europa fica menor, como se fosse um promontório, assim como se fosse uma parte de seus amigos, ou mesmo sua;

a morte de qualquer homem me diminui, porque sou parte da humanidade;

e por isso, nunca procure saber por quem os sinos dobram,

eles dobram por ti.”

Pensem nisso…