O MEU BEM ESTAR É EU ESTAR NO VÓRTICE…

31 de março de 2018 por
Publicidade

Adoro uma rede, rssss O Bem Estar não tem nada a ver com a frequência de contentamento ou seu subproduto gratidão. Se sentir melhor, estar contente é muito bom, é um sinal de mais vibração, mais energia, é um indicador de que se está subindo na escala emocional. Mas, ainda não é estar no vórtice, o contentamento não é a frequência de alegria e nem de felicidade, ainda não é estar no mais puro Bem Estar. Ao estar mais alinhado com o meu “eu interior”, eu aprecio até mesmo o lado de falta de todo e qualquer contraste bifurcado, porque sei que até o encontro com o lado de ausência de Bem Estar, me faz desejar mais. E desde que eu aceitei isso, tudo ficou bem mais fácil e muito mais simples…

É só olhar o que acontece na sociedade, no mundo atual, as pessoas ainda passam muito mais tempo no lado da ausência de Bem Estar, do que sentindo seu mais puro e natural fluxo de energia e informação de Bem Estar, que é o que lhe dá a vida. E isso só acontece porque elas ainda são enganadas pelo seu próprio ego, ainda muito resistente. Como o ego resistente foi criado e copiado coletivamente vibracionalmente, tendo como base essas duas falsas premissas, ainda muito usadas, que são: “Não se ter escolhas”, e “em primeiro lugar a sua própria sobrevivência”. As próprias pessoas praticando mais e repetindo mais vezes, pensamentos semelhantes a essas duas crenças resistentes ao fluxo de Bem Estar, elas sobrevivem sentindo mais as frequências mais baixas, onde quase não se tem energia, vivem com; medo de tudo, impotentes por não ter escolhas, deprimidos por viver num círculo vicioso onde tudo é sempre mais do que é; doenças, violência, corrupção e todas as outras coisas indesejadas em expansão permanente…

E como funciona esse círculo vicioso? As pessoas foram doutrinadas a desejarem um salto quântico, ainda fora do seu vórtice, o que é impossível. Toda a sociedade moderna ainda está usando essa plataforma medieval e ineficaz, que é pular de quase nenhuma energia para o limite máximo de energia que as frequências de ausência de Bem Estar lhes permite. Pular de; medo, impotência ou depressão, para contentamento. E ainda tem um agravante, elas ainda usam um subproduto do contentamento que o ego religioso resistente criou, denominando de gratidão. E é isso que as fazem sempre despencar de volta ao medo, o que faz com que os átomos sempre se comportem assim como é observado por eles, e só para eles. E eu os aprecio por eles me mostrarem o que eu não quero mais em minha vida. Eu desejo estar sempre mais, numa jornada totalmente melhor durante todo o percurso de volta ao meu próprio e natural fluxo de Bem Estar…