QUANDO USAR A VISUALIZAÇÃO E A MEDITAÇÃO…

29 de março de 2017 por
Publicidade

MINHA PISCINA A visualização ou a imaginação, são duas boas ferramentas. Mas, elas são para serem usadas, sempre quando já se está alinhado com o desejo. E elas realmente ajudam e muito, quando estou alinhado. O que é preciso lembrar é que, cada assunto é na verdade, sempre dois assuntos. O que eu quero e a ausência do que eu quero. E eu estou sempre passando pelas entradas, de um assunto ou do outro, em todos os momentos. Quando eu quero e estou alinhado vibracionalmente com aquilo que quero, mais detalhes eu dou ao meu desejo, mais eu penso nele, e mais pensamentos que me façam sentir bem, eu tenho agora. Então, cada vez mais eu pratico a vibração que me permite isso fluir para a minha vida. E é isso o que a expectativa é… E só a expectativa já é uma poderosa maneira de se viver. Porque ela significa que o que eu quero e o que eu acredito, ambos estão no mesmo lugar. E eu ter uma expectativa é como eu mesmo definir o meu próprio ponto de atração em todo e qualquer momento.

Agora, vamos dizer que tem algo que eu já desejei, e já faz um tempo que eu ainda quero isso, e ainda não estou vendo evidências disso vir acontecer. Eu mesmo acabo perdendo a empolgação sobre isso, a coragem de tocar nisso de novo. Lógico, eu estou notando bem mais a ausência disso. Muito mais, do que eu mesmo lembrar da menor presença disso na minha vida. Nesse caso é totalmente inútil visualizar ou buscar imaginar isso de novo. Porque energias contraditórias já estão rolando no pedaço. Existe agora uma grande oscilação de energia. E se eu teimar a fazer, mais isso ficará evidente, com mais pensamentos de que isso não está funcionando aparecendo, e eu não posso querer algo e ainda ter duvidas. Nesses casos a meditação é a ferramenta bem mais indicada, porque na ausência de pensamentos do ego, minha vibração vai aumentar com certeza. Mas, se eu estou querendo algo e estou sintonizado, e eu tenho me sentido muito bem e uma boa ideia me aparece, quando essa ideia chega, eu devo aproveitar ela ao máximo. Eu digo para mim mesmo. Eu tive uma grande ideia. E eu me sento num lugar gostoso, esboço essa ideia muito bem, desenho ela no papel ou no notebook, passo momentos pensando sobre isso, eu até falo dessa ideia com outras pessoas, eu coloco mesmo a energia dessa ideia em movimento. E isso se refere a meu impulso, ao meu momentum, e eu preciso saber em que direção o meu impulso está indo… Se está indo em direção daquilo que quero ou não. Se for na direção que quero eu passo a especificar mais, a detalhar mais. Se não for, eu paro, vou relaxar, me divertir ou até meditar…