OS HÁBITOS RESISTENTES…

12 de janeiro de 2017 por
Publicidade

alinhado 3 Existem muitas crenças resistentes, ainda disfarçadas de hábitos, ou seja, esses pensamentos inconscientes que continuam a serem pensados, sempre reforçando a sincronicidade resistente do ego. E onde quer que se vá, lá está esse hábito, que já deveria ser colocado conscientemente à tona, para que deliberadamente as pessoas pudessem tira-los da categoria de “hábitos” e coloca-los na categoria das “escolhas”, podendo fazer mudanças. E um deles que é muito comum, é as pessoas, ainda falarem muito mais, sobre o que elas não querem, ainda pensando que elas estão falando sobre o que elas querem. Eu estava escrevendo sobre a minha mãe, e lá estava eu interagindo com esse hábito inútil. Eu estava revisando o livro Sara, para mandar imprimir e encadernar como presente para minha neta Bia, e lá estava sendo mostrado como isso é comum, a noite, ao eu ir deligar a TV que deixaram ligada num filme, lá estava um policial falando para o Flash… Para de falar no que não quer, pense e fale mais no que quer e assim será, simples assim. E as pessoas sempre acabam deixando isso ainda inconsciente, na sua categoria de hábitos. O que a faz sempre voltar a sincronizar seus pensamentos com tudo aquilo que ela mesma não quer pensar mais. E assim, sua vida sempre é mais, só que é, apenas mais do que já é…

Eu já estou praticando mais, ser como a coruja Salomão, ignorar tudo o que as pessoas repetem sobre o que não querem, eu adorei o treino que o meu cunhado, minha mãe e outras pessoas, me aplicaram na minha viagem de final de ano, todas as vezes que elas iam começar a repetir as suas coisas indesejadas, eu agia como se nada tivesse sido falado. A cara que meu cunhado fazia ao perceber que ele não estava mais sendo ouvido e nem levado em consideração, era hilária, e ele ia embora. As pessoas ficam buscando outras pessoas para elas mesmas, repetirem isso o tempo todo. E eu adoro usar o teatro, como uma forma de passar algo para as pessoas, eu uso isso em minha palestras, e quando eu estava escrevendo a minha peça. “A vida, um Hiper Self Service”. Uma comédia bem divertida, mostrando como as pessoas escolhem as coisas na vida, no seu dia a dia. Lembrei de escrever também em forma de comédia. “O hábito continuum”. Onde tudo se passa com algumas pessoas que repetem as mesmas coisas o dia inteiro, para todos que chegam perto delas, até mesmo para quem voltou mais vezes no dia, e como as pessoas ouvem isso de novo, como se fosse novo. É muito hilário tudo isso, porque isso acontece até numa mesa de bar entre amigos. Só as pessoas caindo no ridículo, algumas delas resolvem mudar, mas é sempre muito engraçado…