CONTROLAR E EXCLUIR, SÃO CRENÇAS RESISTENTES…

5 de março de 2015 por
Publicidade

eu itamaraca Os Abraham sempre me relembraram que a minha própria experiência é o único aprendizado valido nessa vida. E como eu mesmo criei e realizei muitas coisas, montei muitas empresas e tive muitos negócios, eu pude comprovar que tanto tentar controlar pessoas, como elimina-las da minha vida, só me trazia mais gente não exatamente igual, mas um pouco mais resistente do que eram as que eu queria excluir ou controlar. Já teve momentos que eu fui ao mesmo tempo, chefe de distrito na BSGI, sendo responsável por muitas e muitas famílias, isso em mais de 12 municípios do estado do Rio de Janeiro, e ainda tendo de administrar o meu supermercado de moda intima em Friburgo, onde eu lidava com mais de 81 confeccionistas, foram as funcionarias e as outras das minhas lojas no Rio e São Paulo, fora um jornal mensal e a campanha publicitária para divulgar Friburgo como a Capital da moda Intima, que envolvia; fabricas de elásticos, rendas e tecidos, fora o restante dos mais de 900 confeccionistas que eu tinha catalogado da cidade, eram muitas gente envolvida nessas minhas várias experiências simultâneas de vida. Sem eu me treinar em ser um permissor, nunca seria possível manter tanta gente junta, feliz, livre e expansiva, no que elas faziam. Isso fora a minha família.

E eu descobri isso na pratica, no meu dia a dia, que eu só posso incluir mais, para isso eu tive que entender como é ser mais consciente e deliberado em; pensar, sentir e focar mais, apenas no que eu mais queria desde muito cedo. Como eu nunca abri mão da minha liberdade desde criança, e eu consegui fazer essa proeza de me divertir mais e ainda ser muito feliz no meio de uma seita muito, louca, controladora, resistente e reagente, chamada Testemunha de Jeová, foi bem mais fácil para mim, eu mesmo desbravar esse mundo maravilhoso repleto de contrastes, e eu comecei a fazer isso quando sai de casa com meus 13 anos e fui morar na rua em Manaus. Outra coisa que eu senti na pele é que, sempre que aparecia alguém me oferecendo ajuda, eu sempre me ferrava mais, era só eu aceitar ajuda de alguém. Quando eu só aceitava a alegria das pessoas eu sempre progredia mais. Todas as pessoas que acreditavam que podiam me ajudar, na verdade só queriam ter mais companhia na vida pequena e chata delas, ela só veem mesmo, os problemas nos outros e assim não veem os delas ou os justificam com seu foco no querer resolver os dos outros, e ainda tentam controlar todo mundo com suas próprias crenças resistentes, e quando não conseguem, tentam eliminá-los de alguma maneira de sua vida. Mostrando assim, toda a sua resistência ao fluxo de energia e informação de puro Bem Estar.