Eu só confio na minha própria felicidade…

27 de novembro de 2014 por
Publicidade

pessoas felizes Nem mesmo no que eu penso agora eu devo confiar, porque o que eu penso geralmente é fruto de crenças limitadas que foram criadas por mim mesmo, apenas para realimentar o ego e assim o próprio ego voltar a identificar e coletar mais pensamentos semelhantes as minhas próprias crenças já estabelecidas, o que as fazem ficar no comando das realidades onde estou agora, onde eu já não tenho mais escolhas deliberadas. Já a minha vibração, essa sim nunca me engana, ela jamais mente para mim. Só assim eu sei se estou indo com o fluxo de Bem Estar ou não. Ser mais geral é uma recomendação dos Abraham, eles dizem bem claro que o meu cérebro é apenas um mecanismo para eu usar o meu foco, porque onde eu mesmo coloco essa minha poderosa atenção, é o lugar exato onde vou despejar toda essa energia e informação que vem e volta simultaneamente por mim à Fonte criando novos mundos, novas realidades paralelas.

Eu só sei que eu mudei de realidade quando eu sinto algo diferente do que eu sentia antes, mesmo que uma circunstancia desconfortável ainda não tenha mudado. Então, antes quando eu via novas formas de realimentar as minhas velhas crenças e o próprio ego, eu tentava raciocinar para ver se isso era uma coisa legal, mesmo sem antes eu estar me sentindo bem, agora eu uso mais a minha própria vibração. Só faço o que me faz me sentir melhor do que eu já estou. Estando sem sentir o Bem Estar eu não leio mais nada, não faço mais nada que algum outro ego criou e diz que isso vai mudar o meu mundo, por a única coisa que realmente me faz mudar de mundo ou de realidades é o meu próprio Bem Estar.

A armadilha da sincronicidade negativa é terrível, Quando eu era budista e estava mal, desconfortável como alguma coisa, eles diziam que eu devia fazer daimoku para mudar, eu passava horas até que meu próprio corpo cansava e eu mesmo limpava a minha mente dos pensamentos do ego e deixava o acesso a Fonte livre. Depois eu usei muitas e muitas ferramentas também sem antes me sentir bem, e todas essas ferramentas, só fizeram efeito quando eu primeiro já estava me sentindo bem. Foi quando eu descobri que eu estava sendo um idiota em querer resultados diferentes sempre fazendo as mesmas coisas, sempre atrás de ferramentas milagrosas, de códigos secretos e tudo mais criado por outros egos que acreditam que foi isso e não a sua própria felicidade quem fez toda a diferença na sua mudança para outras realidades melhores.