Porque tem gente que consegue grandes coisas e outros só conseguem poucas coisas?

2 de agosto de 2014 por
Publicidade

Roberto Vascon e bolsa Há alguns dias atrás relembrando a historia linda do meu amigo Roberto Vascon, eu recebi muitos e-mails e muita gente ainda vem no bate papo do Facebook me perguntando sobre o porque dele conseguir isso tudo, assim tão rápido e de uma forma grandiosa, ele em apenas um mês, mesmo estando dormindo na rua e com frio, o cara colapsa mais de um milhão de dólares vindos assim do nada, ele só teve um sonho que seguiu e conseguiu mudar toda sua vida da noite para o dia, seguindo apenas um sonho de fazer 12 bolsas. E que se vê nos grupos que eles participam, só tem pessoas que conseguem suas poucas coisinhas, uma consegue transferência de lugar de trabalho, o outro ganhar um pouco mais, o outro viu cinco carros verdes, ou outro consegue comprar um carro, um outro se muda do lugar para onde queria mudar, mas ninguém praticando a LDA relata uma grande mudança de vida assim como o Vascon…

A resposta é muito simples, primeiro ninguém precisa praticar a LDA, qualquer pessoa pode conseguir o que quiser na vida, não existe diferença alguma, ela só precisa desejar mais, apreciar mais e estar disposta a criar mais, sempre novas crenças para poder receber tudo o que ela mesmo pede, mas ela mesma precisa se permitir mais isso, o Roberto criou uma crença deixando o Universo fazer da sua vida uma grande festa, não impondo limitações. Ele não pensava em ter um emprego qualquer para garantir a sua sobrevivência, ele não tinha crenças em encontrar alguém que o ajudasse a conseguir um trabalho, nem de aceitar ajuda de ninguém, muito menos ir para um abrigo provisório. Nem mesmo estava pulando de galho em galho, uma hora fazendo; ho’oponopono, outra os exercícios do livro dos Abraham , depois do Segredo ou do Energia ao Quadrado, outra querendo que todo mundo seguindo os Abraham ou Gaspar, nem mesmo estava querendo ajudar alguém, sem antes já ter dado uma guinada na sua própria vida.

Quem ainda tem essas crenças de que a sua sobrevivência só está garantida com um emprego, limita suas criações e realizações, são as suas crenças de que tudo tem que vir de um trabalhando, que o fazem receber pouco, porque ela mesma acredita que com seu trabalho, ou como funcionário publico, nem ela e nem ninguém vai ganhar um milhão de reais do dia para a noite. Entenda de vez que tudo vem sempre de acordo com as suas próprias crenças. Quem ainda tem crenças de que alguém precise de ajuda, ele mesmo limita o Universo a encontrar alguém que o ajude, mas dentro das suas crenças, de quem acredita que precisa de ajuda, que quase sempre vai ser; ou do seu chefe, do amigo ou de seus parentes…

Agora! Se a sua consciência já se expandiu com as suas novas crenças, tudo em sua vida tem infinitas possibilidades e isso é exponencial como é a vida do Vascon. Ninguém pode ser menor do que já é, tanto que o Vascon torrou todos os seus milhões de dólares viajando pelo mundo por alguns anos e depois voltou e conseguiu tudo de novo. Somos sempre novos a todo a a cada momento…


  • Brasil Aninha

    O Vascon deve ser tão inteligente e sagaz que mesmo qdo resolveu ser mendigo, com certeza tinha uma sabedoria subliminar envolvida nesta escolha, pois na rua, sem parentes e amigos para encher o saco, ele pôde engendrar com total liberdade e atenção o seu salto quântico…E talvez, só para não perder o humor (e eu prefiro às vezes perder o amigo do que a piada…) deste trocadilho que o vácuo quântico acabou de me assoprar….) ele provavelmente deve ter indagado a si mesmo a pergunta típica que os assaltantes fazem nas ruas :

    “A bolsa ou a vida…”

    Grande Vascon! Honrando com grande dignidade uma individualização expressiva do Vácuo quântico.

    Blessings,

    Ana

  • Eduardo Billy

    Só mesmo quem já passou por isso ou alguma coisa bem perecida sabe Ana, eu sai de casa com 13 anos, também passei por isso na vida e essa triade de intenções vem forte a tona nesses momentos; liberdade, felicidade e expansão… Isso é tudo que todos nós queremos em tudo e com tudo na vida, mas poucos tem a coragem de colocar fogo nos seus próprios navios e não ter como mais
    voltar… Ai entra,a bolsa ou a vida? Rssss

  • Brasil Aninha

    Pois é, Billy, e a bolsa do Vascon não é como a bolsa-família, que escraviza e acomoda, é criativa e libertadora, então, que se inspire e veja quem tenha bons olhos e uma sensibilidade à flor da pele…

    Eu deduzo mais ou menos o que deve ter passado pela sua mente e coração quando era rapaz, pois desde cedo eu também intuía e sentía todo o escopo do conhecimento libertador que a Mecânica e a Física Quântica encerram e depois, qdo tive a benção de poder acessar e ler toda a síntese deste conhecimento – principalmente pelas aulas e textos do professor Hélio Couto e dos livros de Amit Goswami – todas as fichas começaram a cair, tilintando lindamente e desde então tenho sido uma pessoa infinitamente mais feliz e expansiva, mas acho que isso tudo só toca realmente quem sentiu a coisa e não apenas captou pelo lado racional…

    Ah, E botar fogo no meu próprio navio é comigo mesmo, pois venho das águas e sei que jamais me queimarei…rsss E navegar aqui às vezes, além de me divertir, me faz sentir como dois navios que se cruzam em alto mar e hasteaim suas bandeiras em sinal de respeito e amizade.