Apreciando o meu ego…

24 de setembro de 2013 por
Publicidade

Escala emocional Sou muito grato pelo meu ego, sem ele eu jamais poderia existir nessa forma física. O Eduardo Billy é, apenas o contraste do meu próprio “Eu Interior”. Ele é o meu distanciamento de quem eu realmente sou… A Consciência Infinita que eu ainda sou, mesmo nesse corpo físico, que uns vão amar outros odiar, mas nada disso tem a ver comigo, é pura questão de alinhamento de cada ego, de cada individualização de escolhas. O meu eu interior jamais poderia experimentar a vida; por todos os ângulos, por todas as perspectivas e por todas as formas sem o ego, porque meu eu interior é puro Bem Estar que é, a soma de tudo isso; amor, apreciação, liberdade, poder, conhecimento e alegria, ao mesmo tempo.

O meu ego nasce na paixão por essa vida física, e meu ego tem infinitas possibilidades de viajar emocionalmente, criando infinitas ondas de probabilidades, sentindo todas as nuances da falta do Bem Estar. O meu eu interior criou um vórtice criativo para me manter sentindo todas essas realidades paralelas sem precisar voltar tão rápido ao fluxo de Bem Estar, Ele fica o tempo todo, sempre me chamando de lá, do meu vórtice criativo, para eu mesmo como ser físico, poder me divertir de ir e vir ao Vácuo Quântico, quantas vezes eu quiser, apreciando tudo isso. E assim eu tenho sempre o meu vórtice ativado, enquanto eu estiver brincando de sentir; paixão, entusiasmo, vivacidade, felicidade, expectativas positivas, fé, otimismo, esperança e até por ultimo o contentamento.

Até o contentamento eu me divirto muito, daí para frente seria eu mesmo, agora como esse ser físico, o ego, desejando, querendo muito, voltar a ser pura energia de novo, só que agora bem mais rápido, deixando o ego de vez.

Então essa é uma viagem completamente solitária, qualquer outro ego que tentar me ajudar, só aumentará isso para mim e para ele também, ainda nessa existência, porque ambos focam agora, apenas da emoção de enfadado ao “cumulo de ausência de Bem Estar” que seria; medo, tristeza, depressão, desespero e impotência. Você se quiser, pode ver todas as outras emoções limitantes, as vibrações existentes nessa tabela da foto ilustrativa dessa mesma matéria.

E posso te garantir, o meu eu interior jamais me acompanhou à esse ponto máximo de ausência de Bem Estar, mas também jamais deixou de me chamar, eu até posso não ter ouvido o chamado, por eu mesmo não procurar sentir um poderoso “alivio” nesse momento, mas ele nunca deixará de me chamar, respeitando sempre o meu próprio direito de escolhas, enquanto ego, até que essa minha escolha extrema de voltar agora, instantaneamente a ser o que eu sempre fui, pura energia e informação ao mesmo tempo do Vácuo Quântico, simplesmente se efetuar, nesse momento.