Os desejos e a imaginação…

14 de março de 2013 por
Publicidade

Primeiro eu imagino. Só depois, tudo se manifesta. Nada nessa vida tem outro inicio. Nem mesmo o meu desejo. A maioria dos desejos verdadeiros, aqueles que nascem dos meus encontros diários, com os contrastes, aquilo que tenho certeza que não quero no momento e até mesmo aqueles que, eu simplesmente observo com o meu foco. Pode ser andando pela rua, na televisão ou numa revista. É preciso que eu primeiro use, o poder da minha imaginação para que, ele venha a se manifestar; agora, amanhã ou nos próximos dias. Eu preciso vivenciar isso na minha mente, eu tenho que sentir isso vivo, profundamente em minha vida.

Eu ja desperdicei muita energia, vivenciando coisas que eu não queria. Eu podia estar feliz da vida com o meu desejo já realizado e, lá vinha alguém tentando fazer eu imaginar o que eu não queria. Eu lembro quando comprei o carro dos meus sonhos, um Dodge Charger lindo, vermelho sangue com o capo preto. Eu passei quase um mês viajando de ónibus de Friburgo para o Rio de Janeiro, sempre imaginando eu subindo e descendo a serra dentro do meu carrão. Só foi eu realizar, as pessoas começam a tentar me fazer abandonar o seu sonho, e não é por mal, mas as religiões os ensinaram assim, a motivar o que eles querem pelo medo, e até os nossos pais pegaram essa mania nefasta. Então, minha mãe dizia, cuidado, isso é muito carro pra um garoto, você pode sofrer um acidente, Outro já queria que, eu imaginasse o quanto eu ia gastar de gasolina, porque ele bebe muito. Outro queria que eu imaginasse um ladrão, cara com esse carrão, você vai atrair muitos assaltos, vão arranhar o seu carro e por ai vai…

As pessoas nem percebem, mas a maioria, vivenciam até mesmo muitas cenas das novelas, quando despertam sentimentos fortes, eu mesmo já vi acontecer isso em várias casas de amigos meus, a mãe estava super bem, ao ver alguém ser maltratado, ela ia ficando com raiva e depois transferia toda essa raiva, para as coisas, a comida já não saia igual, brigava mais com os filhos e despejava toda a sua raiva, atraindo mais coisas para ficar mais irada ainda.

Hoje, eu quase que não assisto televisão, quando vejo, sei muito bem não me deixar envolver pelas emoções que as cenas querem me provocar. Eu aprendi a imaginar o que eu mais quero e envolver toda essa fantasia com muita emoção boa. Eu chego a fingir estar vivendo aquilo que eu quero ainda viver, e minha imaginação faz eu sentir isso vivo dentro de mim, então é assim que eu programo a minha própria realidade, mas ninguém. Se eu quero mais saúde, me imagino me divertindo com meus esportes preferidos. Se eu quero mais dinheiro, me imagino comprando muito feliz e agradecendo por ter sempre mais dinheiro sobrando, para eu poder realizar. Se eu quero paixão, eu imagino minha mulher, chegando em casa, colocando uma camisolinha e me provocando muito. Então, é isso que eu mesmo vivo, aqui e agora.